COMENTEM OS LIVROS

MENINAS COMENTEM OS LIVROS.

O BLOG SE ALIMENTA DE COMENTÁRIOS!

COMENTÁRIOS DÃO VIDA AO BLOG!

DEDETIZADORA - CAMPINAS E REGIÃO

Qual é o seu estilo?

DICA


PARA ABRIR QUALQUER PÁGINA E FUGIR DAS PROPAGANDAS, SEM PROBLEMAS.

CLIQUE COM O MOUSE DIREITO E ESCOLHA A OPÇÃO ABRIR GUIA OU LINK EM OUTRA PÁGINA

ISSO SERVER PARA O ÍNDICE , ETC


para falar comigo : amoraosromances2@gmail.com

LIVROS RECOMENDADOS PARA LEITURA

  • A PROMETIDA - Esse livro está somente no AMAZON, mas tive a oportunidade de ler no Wattpad(já foi Retirado). Eu o classifico como comédia romântica. Amei Mansur, o S...
    Há um ano

Gostou do Blog ? Seja um MEMBRO !!

LIVROS EM INGLÊS E ESPANHOL

LIVROS EM INGLÊS E ESPANHOL
PARA VOCÊ QUE ESTUDA A LÍNGUA- CLICK NA IMAGEM

sábado, 20 de junho de 2015

O Irmão de Seu Marido


Anne Mather - O Irmão de Seu Marido



O preço da sedução:

Era possível Cassandra ter um filho, mesmo que ela ficasse casada por menos de 24 horas? O irmão de Enrique Montoya foi pego de surpresa.
Ele não podia esquecer que ele tentou impedir o casamento de curta duração entre Cassandra e seu irmão para seduzi-la para ele mesmo.


CAPÍTULO 1

Tinha chovido durante a noite e, quando Enrique veio à varanda, às seis da manhã, a brisa fê-lo estremecer. Era demasiado cedo para que o sol aquecesse.
Deveria estar ainda na cama, ou na cama de Sara, como a ela teria agradado, em vez de estar ali, às voltas com um assunto que só lhe causava amargura.
Tocou de leve o parapeito com os seus dedos longos. Deveria estar mais calor do que em Londres, pensou, sem se dar conta de que aí estava nublado e chovia mesmo que fosse Junho. Tinha-se sentido feliz ao apanhar o avião para voltar a casa, na Andaluzia.
Apenas para encontrar aquela carta...
Carregou-lhe o semblante. Não queria pensar mais naquilo. Estava a deixar que a ira lhe obscurecesse o bom senso. Enfurecia-o pensar que, se o seu pai não tivesse estado tão doente, ele próprio teria lido a carta. Tal não tinha acontecido porque Júlio de Montoya estava no hospital, em Sevilha, e a missiva tinha ficado por abrir em cima da sua secretária até Enrique a ter encontrado.
Deixou o olhar recair sobre a buganvília que, do solo, trepava pela fachada da casa. Enrique sempre havia pensado que o seu lar era o mais belo lugar da terra, mas naquela manhã era-lhe difícil afastar da mente todos os sentimentos desencontrados que lhe produzia a carta que jazia no chão, ao lado da cama. Entrou no seu quarto e nem sequer a olhou. Tinha-a lido pela enésima vez às três da madrugada, mas sentiu a tentação de apanhá-la do chão e lê-la de novo. No entanto, despiu-se e entrou no banho.
Tomou um duche frio para desanuviar a mente. Quando terminou, secou-se, pôs uma toalha em volta dos quadris e olhou-se ao espelho. A barba tinha-lhe crescido ligeiramente durante a noite e conferia-lhe uma expressão dura, pensou tristemente, enquanto passava a mão pelo queixo.
Tinha cabelo e olhos negros e a pele macilenta. Os seus traços eram muito vincados. A falta de sono havia-lhe acentuado as olheiras, e mesmo que muitas mulheres o achassem atraente, ele não considerava agradável aquele rosto hostil. Ainda que soubesse que aquilo era consequência do excesso de trabalho.
Tinha chegado de Londres na madrugada do dia anterior e passado toda a amanhã em reuniões esgotantes. Depois, Sara tinha querido que passassem a tarde juntos e continuar a desfrutar da sua companhia durante a noite. Ele declinara o convite, deixando-a desgostosa. No fim, tinha-se deitado depois das duas e não tinha conseguido dormir. Franziu o cenho quando se recordou que tinha de enfrentar o conteúdo daquele papel.
E rapidamente. Antes que o seu pai saísse do hospital e voltasse a casa, dali a uns dias. A sua mãe tinha-lhe contado por telefone que a operação havia sido um êxito e que, com os cuidados adequados e um pouco de sorte, Júlio de Montoya teria vários anos de vida normal à sua frente. Se não acontecesse nada de prejudicial que dificultasse a sua recuperação.
Enrique cerrou os dentes. Espalhou espuma pelo rosto e pegou na lâmina de barbear. Diabo! Que pretenderia aquela bruxa? E quem seria a criança que tinha escrito aquela mensagem, se é que realmente tinha sido uma criança? Não podia ser filho de António. Cassandra devia ter inventado a história toda. Resvalou-lhe a mão e a lâmina deslizou pela maçã do rosto, fazendo-lhe um corte. Soltou uma imprecação e limpou o sangue com uma toalha. Em seguida, enxaguou a cara com água fria e esperou que a ferida fechasse. O que lhe estaria a acontecer para que tudo aquilo lhe causasse tanta dor? Tinha que se controlar e depressa. Tinha-o conseguido outrora e consegui-lo-ia também naquele momento. Não tinha intenção alguma de permitir que aquela mulher lhe destroçasse a vida uma vez mais. Era a viúva de António, mas não mantinha relações com a família. Em absoluto.
Quando o corte deixou de sangrar, vestiu umas calças de algodão e uma camisa preta, calçou uns sapatos e penteou o cabelo úmido. Depois, apesar da resistência que sentia, apanhou a carta do chão e leu-a de novo.
Possivelmente, Cassandra tinha usado a mão esquerda para escrevê-la. Desse modo se explicaria a letra infantil. Adivinhava-se o esforço empregue para formar as letras. Poderia ter sido escrita por um menino de nove anos, mas uma vez que Enrique não aceitava o conteúdo da carta, tampouco aceitava a sua autenticidade.
Teve a tentação de rasgá-la em mil pedaços, mas não o fez. Não conseguia fazê-lo. Ainda que a morte prematura do seu irmão António tornasse impossível a existência de um sobrinho, Enrique experimentava uma espécie de curiosidade doentia a respeito do que haveria no fundo daquele assunto.
Até o papel da carta o ofendia. Era uma folha de linhas. Parecia que a tinham arrancado de um caderno de uma criança para dar a impressão de inocência.
Querido avô:
Tu não me conheces e a mamã diz que não queres, mas eu não acredito. Gostava que fôssemos amigos e por isso consegui que a mamã me levasse de férias a Espanha este ano. Chegaremos a doze de Junho e ficaremos em Punta del Lobo, na Pensão del Mar. Sei que fica na costa, mas não sei se está muito longe de Tuarega, mas de qualquer modo, poderias vir visitar-nos. Tenho a certeza de que a mamã gostaria de ver-te, mesmo que diga que não. Muitos beijos do teu neto, David de Montoya.
Enrique apertou os maxilares. Como é que se atrevera a dar ao filho o nome da sua família? Se é que existia realmente uma criança. Se existia, tinha de ser um filho ilegítimo que teria nascido depois da morte de António. E Enrique sabia que...
Aquele era um caminho por onde não ia aventurar-se. O que soubera ou não sobre Cassandra não era importante. A sua única preocupação era que o seu pai não chegasse a ver a carta, que não sofresse a dor de saber que uma vez mais Cassandra Scott de Montoya estava a tentar conseguir alguma coisa da sua família.
Amassou a folha e apertou a bola de papel com força. Não queria vê-la, mas tinha a sensação que, fizesse o que fizesse, não conseguiria esquecer o seu conteúdo. Esteve quase a atirá-la para o cesto dos papéis, mas pensou que alguém pudesse ter curiosidade de saber que papel era aquele e o lesse, pelo que o alisou e guardou entre as páginas da sua agenda. Aí, ninguém o encontraria.
No entanto, não tinha resolvido ainda o problema, pensou enquanto tomava café no terraço. Normalmente, aquela era a hora a que revia o trabalho que tinha feito no dia anterior e consultava os relatórios dos encarregados e dos capatazes. Era o substituto do seu pai e tinha sido recentemente nomeado director geral das empresas da família Montoya. Tomava muito a sério as suas responsabilidades, mas naquele dia não podia concentrar-se... Sabia que era quinze de Junho e que Cassandra, e possivelmente o seu filho, estariam a apenas sessenta quilómetros, em Punta del Lobo. Tal pensamento enfurecia-o. Perguntava a si mesmo se a criança já teria descoberto a que distância estava de Tuarega. Atrever-se-ia Cassandra a ir à herdade?


18 comentários:

  1. História linda. Recomendo.

    ResponderExcluir
  2. LINDO! LINDO! LINDO!!!!!! Muito surpreendente...

    Diana Alves.

    ResponderExcluir
  3. O livro é bom, mas achei a leitura um pouco cansativa!!!

    ResponderExcluir
  4. A tradução está uma porcaria.
    Essa mocinha é uma lesada,para perdoar tão facilmente tanta humilhação desse mocinho e sua família arrogante.E esse filho? Ninguém merece ser mãe de uma peste dessas!!! Aff!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade não da pra entender nada !!!!! Afff ������

      Excluir
  5. Esse sujeito foi um verdadeiro crápula e a moça uma ########### se me entendem, como estar noiva de um cara legal e dormir com o irmão na vespera do casamento,ah ela merece ter sofrido tanto e os dois realmente se merecem,eu se fosse ela não o perdoaria mas tb não teria feito o que ela fez.O que me surpreende são essas autoras que nos dias de hoje ainda criam essas mocinhas tão tapadas.

    ResponderExcluir
  6. Nossa obrigada a todos por comentar dessa forma me livro de cara desses livros enfadonhos e cansativos, pois não tem nada pior q começar e ter q largar logo de cara !!!!! Nay o_o

    ResponderExcluir
  7. O livro é bom, não é dos melhores, mas dá para ler

    ResponderExcluir
  8. Realmente, a mocinha não tem como cobrar caráter do mocinho, se ela mesma não teve nenhum. Os dois pisaram na bola. Quanto ao filho, ela foi muito permissiva, sem pulso, covarde. e a leitura com sotaque espanhol, cansa.
    Sandra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se é que se pode chamar isso de espanhol tava mais para um mista de idiomas afff !!!

      Excluir
  9. A história é Boa mas a tradução deixou muito a despejar áfff !! JosÉ acabou deixando o livro chato mas BEM TRADUZIDO E UMA ÓTIMA OPÇÃO PARA LER .

    ResponderExcluir
  10. Apesar do português de Portugal não me apetecer, recomendo o livro. Gosto de mocinho espanhol, e garoto é esperto, mas o segredo sobre o pai do garoto, eu não gostei.

    ResponderExcluir
  11. Uma pena a tradução estar ruim, perde um pouco a qualidade do livro, vou passar este...

    ResponderExcluir
  12. Concordo inteiramente com a maioria dos comentários. Cassandra errou sim, mas na época ela era pouco mais que uma adolescente, que foi iludida e seduzida por um homem experiente. Enrique era inescrupuloso, dissimulado e um pau mandado. Enrique mostra um desvio de conduta grave, só o fato dele se envolver com as duas mulheres de seu irmão (Cassandra e Sara), já fala muito sobre seu caráter ou a falta dele, parece que ele queria sempre o que era do irmão. Antônio foi aquele que de verdade amou a Cassandra. E aquele garotinho precisava de um corretivo urgente!

    ResponderExcluir


MENINAS O BLOG, NÃO TEM MODERADOR DE COMENTÁRIOS. MAS COMENTÁRIOS OFENSIVOS OU PROVOCATIVOS SERÃO TIRADOS.

NÃO MANDO LIVROS POR EMAILS, O BOX TEM LIMITE PARA BAIXAR POR MÊS,
BAIXE APENAS O QUE VOCÊ IRÁ LER.
OS LINKS COSTUMAM PARAR DE FUNCIONAR NO FINAL DE CADA MÊS POIS O BOX ESTOURA O LIMITE, PARA ISSO NÃO ACONTECER PRUDÊNCIA NO BAIXAR DOS LIVROS.